Empreendedorismo – Mentalidade de Sucesso X Mentalidade de Fracasso

    Empreendedorismo – Mentalidade de Sucesso X Mentalidade de Fracasso

    Em uma pesquisa recente, feita pelo Sebrae de São Paulo, foi identificado duas classes de empreendedor no Brasil.

    A primeira classe, é conhecida pela sua gigantesca dedicação e profissionalismo, os empreendedores dessa classe, não medem esforços para levarem os seus negócios para um próximo nível, para eles não existe final de semana, feriado, datas comemorativas, entre outros empecilhos.

    Essa classe de empreendedores sabem jogar o jogo, ou seja, esses empresários entendem que é preciso se sacrificar e assim conseguem chegar onde outros não conseguem.

    Já a segunda classe, tem inúmeros aspectos que impedem de ir ao próximo nível, esses empresários são grandes guerreiros, eles arriscam, lutam, tentam, porém pecam em atitudes extremamente prejudiciais a qualquer negócio, segue abaixo alguns pensamentos de empreendedores com mentalidade de fracasso.

    1- Estou montando a uma empresa e conforme for entrando grana vou repondo a mercadoria.

    2- Vou começar uma empresa e quando o negócio estiver vingando, vou começar a investir em marketing.

    3- Já está chegando o final do ano, vamos deixar esse projeto para o ano que vem.

    4- Começou o ano, porém o Brasil só começa a rodar a partir de março, vamos aguardar o término do carnaval.

    5- Eu não preciso estar na internet para vender mais.

    6- O meu negócio não precisa de tecnologias.

    7- É assim mesmo, pois o Brasil está em crise.

    8- Está chegando o final de semana e depois ainda tem o feriado, vamos deixar para a semana que vem.

    Nesses dois exemplos acima, podemos ver 2 fatores que são considerados os mais críticos, que a maioria dos empreendedores iniciantes praticam. No exemplo 1, o empresario esquece de separar uma verba para o fluxo de caixa e no exemplo 2, não separa uma verba para o marketing da empresa, esse é um dos fatores principais para o fechamento de uma empresa ainda nos primeiros anos de vida.

    Em estudo realizado em 2017, o Sebrae Nacional apontou que 24,4% delas fecham as portas com menos de dois anos de existência. E esse percentual pode chegar a 50% nos estabelecimentos com menos de quatro anos.

    E pensando em entender as causas que levam o fechamento prematuro e a sobrevivência desses negócios, o Sebrae em São Paulo realizou uma pesquisa sobre causa mortis.

    O objetivo de estudo é identificar os fatores que contribuem para as chances de sobrevivência das empresas, do primeiro ao quinto ano de atividade, no estado de São Paulo. E conhecer o perfil de empreendedores e de empresas “jovens” de um a cinco anos.

    A pesquisa analisa que 37% dos administradores abriram empresa pois desejavam ter seu próprio negócio. E para iniciar o seu empreendimento, 88% dos gestores contaram basicamente com recursos próprios ou da família.

    Ao abrir a empresa, parte dos empreendedores não levantam informações importantes sobre o mercado como clientes, concorrentes e fornecedores, e mais da metade não realiza o planejamento estratégico antes do início das atividades do estabelecimento, o que pode ser prejudicial ao negócio. Planejar-se auxilia a precaver quaisquer imprevistos que surgirem pelo caminho.

    O relatório aponta que de 9 em cada 10 gestores que permanecem no mercado estão satisfeitos com a opção de empreender, pois essa satisfação é derivada do sentimento de liberdade e independência, e também do retorno financeiro. Contudo, os que estão insatisfeitos com a opção de empreender reclamam de falta de lucro e dos impostos elevados, ou da falta de apoio.

    Infelizmente a maioria desses empreendedores tem uma falsa sensação de liberdade, eles são donos do negócio, mas tem grandes responsabilidades presenciais, se você é empreendedor e precisa estar sempre presente para o negócio andar, precisar rever o que é preciso fazer para ter de verdade a tão sonhada liberdade.

    Se você é empreendedor e se identificou com a segunda classe, agora é a hora de ser a mudança, de fazer as coisas diferentes e assim desfrutar de uma vida épica como empresario de sucesso.

    Nós da Help Technology podemos ajudar nessa jornada, não exite em nos contactar.

    Espero que tenha gostado do conteúdo, não esqueça de deixa o seu comentário.

    Forte abraço e até a próxima.

    About the Author
    Diogo Fagundes
    Meu nome é Diogo Fagundes, tenho 32 anos, sou Consultor de Marketing Digital desde 2.014, e nesse período ajudei mais de 50 empresas dos mais variados nichos de mercado. Adoro trabalhar com as possibilidades que a internet nos proporciona alcançar, algumas pessoas dizem que se tratando de tecnologia o céu é o limite, na minha opinião não existe limite.