Falência:11 dicas para manter seu negócio estável

Falência

Conheça as dicas de como evitar a falência de sua empresa

Com toda a crise financeira que o mercado vem sofrendo durante os últimos anos, a falência se tornou um dos principais medos dos empresários.

Problemas jurídicos, financeiros e má gestão são os principais motivos que levam a empresas a fecharem as portas e vender o negócio.

Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que no Brasil, entre 2014 e 2018, mais empresas foram fechadas do que abertas.

Além disso, com a crise de COVID-19 esse número ficou ainda mais evidente, com empresários destacando dificuldades devido às restrições impostas pela pandemia.

Segundo o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) em cada 10 empresas, 3 vão à falência após 2 anos.

Com todas esses riscos empresariais, gerentes, sócios e proprietários estão procurando cada vez mais dicas de como ficar longe da falência e manter seu negócio seguro.

Falência X Insolvência Civil

Falência

Segundo o artigo 75 da lei 11.101/2005, o processo de falência só podem ser utilizados por empresas, onde acontece quando o negócio passa a ser insolvente, ou seja, o que a empresa ganha não é suficiente para pagar suas dívidas, onde o mesmo tem a finalidade de afastar o devedor de suas atividades no intuito de preservar bens, ativos, e recursos produtivos da empresa, para futuro pagamento de credores.

Falência
O que muda com a Nova Lei de Falências

O artigo 94 determina que a falência será decretada se o devedor for não pagar na data do vencimento divida acima de 40 salários-mínimos sem justificativa relevante, que foi executado mas não pagou nem apresentou bens suficientes dentro do prazo, ou prática atos no intuito de não deixar seu patrimônio ser atingido, descritos no inciso III do mencionado artigo.

Sendo assim, a falência é um processo judicial, no qual o administrador da empresa não pode mais arcar com a gestão do negócio, passando assim o controle para um administrador-judicial.

O objetivo é que esse administrador-judicial reorganize as contas, gerindo os ativos e passivos da empresa de modo a pagar as dívidas.

Com a decretação da falência o devedor fica inabilitado para exercer qualquer atividade comercial, perde o direito de administrar seus bens e fica obrigado a cumprir os deveres legais descritos no artigo 104.

Insolvência civil

O procedimento de insolvência civil é utilizado para declarar a situação em que o devedor, em regra pessoa física, mas também cabe para pessoas jurídicas não empresárias, possui mais dívidas do que bens ou capacidade de pagamento.

A lei prevê duas espécies de insolvência:

1 Real quando as dívidas excedem os bens, hipótese descrita no artigo 748;

2 Presumida ou Ficta regida pelo artigo 750, quando o devedor não tem bens penhoráveis, não tem domicílio para ser cobrado, ou quanto tenta se desfazer do patrimônio para que o mesmo não seja alcançado.

Insolvência civil: como é feita a declaração de falência para pessoas?

Com a declaração da insolvência todos os bens passíveis de penhora do devedor são arrecadados, no intuito de pagar os credores.

Tiradas as dúvidas sobre falência, agora mostraremos as 11 dicas para evitar a falência:

Pedidos de falência registram menor índice em dez anos

1. Planejamento

Um bom plano de negócio é fundamental para qualquer empresa. Para se administrar naturalmente um negócio, é preciso manter a disciplina, ter metas e visão de longo prazo.

A partir de um planejamento, o empresário pode avaliar informações sobre a situação do mercado e da concorrência, evitando surpresas, além de poder traçar melhorias em termos de marketing e avaliar uma possível arrecadação de capital ou novas fontes de lucros, garantindo a manutenção do negócio.

2. Pessoa Física X Jurídica

É sempre importante saber separar as finanças, principalmente quando é uma empresa de um só dono.

Fazer retiradas de dinheiro sem planejamento são ações que podem afetar o caixa da empresa em períodos de crise. Além de simbolizar uma fatia que não deveria existir na planilha financeira, podem gerar alguns problemas com impostos;

3. Fluxo de caixa

É primordial analisar ainda a formação de preço de venda de seu produto, pois se não houver lucro para o seu negócio, essa formação pode estar errada.

Caso fluxo de caixa não esteja bem organizado, será preciso levantar todo o histórico financeiro para mantê-lo atualizado.

A análise de fluxo de caixa permite ainda saber se há um descasamento muito grande no cálculo do prazo de pagamento do fornecedor e de recebimento do cliente.

4. Ouça especialistas

Procurar conselhos de pessoas independentes e imparciais pode ajudar na tomada de decisões importantes, para que a empresa não seja prejudicada mais à frente.

É importante também, contratar uma assessoria jurídica para evitar erros que podem levar à falência.

5. Organização contábil e financeira

Estar bem organizado financeiramente também é primordial para ter clareza sobre os rumos e sua companhia.

Além de evitar riscos em relação ao fluxo de caixa, é possível saber qual o potencial e crescimento do seu negócio a partir do glutationa de sua empresa.

A partir dessa avaliação, também ficará mais claro o tamanho das despesas e custos da sua companhia, podendo cortar alguns gastos de maneira estratégica sem prejudicar áreas que geram lucro ao negócio.

6. Atenção com os contratos.

É preciso ter cuidado com contratos firmados com fornecedores.

Não se deve assinar documentos sem ter a certeza de que entendeu as especificações e que não haverá prejuízos em caso de desistência ou encerramento imprevisíveis.

7. Renegociação

Falência

Caso existam dívidas em atraso, o certo é procurar tentar negociar os valores Isso mostrará ao credor seu interesse em honrar com os compromissos, evitando o processo de falência.

Mas não basta apenas renegociar, e sim também buscar os meios para que os novos prazos sejam cumpridos de maneira transparente, sem precisar se envolver em novas dívidas a partir de empréstimos muito longos ou com juros altos.

8. Acordos de trabalho

É importante estar atento aos mínimos detalhes de um acordo de trabalho. Um contrato bem formulado, com descrição, detalhes e especificações evitará processos trabalhistas e, consequentemente, condenações que desestruturam a saúde financeira da empresa;

9. Fundo emergencial

Em tempos de crise, se antecipar a futuros problemas se tornou essencial para qualquer empreendedor. Diante das dificuldades enfrentadas em 2020 por conta da pandemia, muitas empresas viram a necessidade de manter uma reserva de contingência direcionada para possíveis obstáculos financeiros.

10. Relação com os clientes

Erros no atendimento ou no produto entregue podem causar processos de reparação de danos. Para evitar essas situações, os contratos com os clientes também devem ter todas as especificações do produto, sem deixar de citar as cláusulas penais para descumprimento. Se você lida com o consumidor final, a atenção deve ser redobrada;

11. Antecipe os problemas

Sempre anteveja situações de risco e problemas que poderão acontecer durante uma negociação ou durante a venda/execução de um serviço.

Não esqueça do que também pode acontecer durante o pós-venda. Um problema antevisto será uma situação já prevista em contrato.

Saber lidar com a gestão de uma empresa, é de extrema importância para se ter um negócio, quando se gerencia bem a probabilidade da empresa fechar por falência é mínima, por isso é importante ter um software de gestão e para isso, você pode contar com a Help Technology, a melhor empresa do ramo de marketing.

 

Gostou do post?, visite o site da Help e leia muitos mais assuntos como este.

Para mais infos:

E-mail: ana.paula@helptechnology.com.br

Whatsapp: Ana Paula Mota 

Telefone: (11) 4746 8556 (São Paulo)
Telefone: 0800 591 5517 (demais localidades)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *